quinta-feira, 28 de abril de 2011

Countdown - Espectáculo Soberbo

 Silêncio, tudo à minha volta se torna harmonia, parte do público ainda bate palmas efusivamente. Os artistas já saíram do palco. A magia continua no ar, sou transportado no tempo e no espaço, deixo de ser eu para me integrar na essência do Universo. A arte a que acabo de assistir catapulta-me para um local poucas vezes frequentado, a sensibilidade magnificente após os nossos sentidos terem captado algo que ultrapassa a performance física e sonora, algo mais veio acoplado aos movimentos coreográficos, aos olhares intensos, à expressão apaixonante, à execução musical. Uma massa compacta de sensações envolveram o espaço, num misto de beleza, sensibilidade e algo arrebatadoramente visceral.
As lágrimas deslizam nos canais oculares, mas não se libertam, impeço que saiam, para não correr o risco de perder um braço dançante que coreograficamente saúda a assistência, um sorriso sincero que brinda a plateia, um apaixonante fluir que transforma artistas e público num só, unidos por uma cultura milenar sólida e repleta de sabedoria ancestral.

A vida tem destas coisas, de repente sinto-me pequeno, agradavelmente pequeno, ao ver a grandiosidade de artistas de tal calibre. E como se não bastasse o facto de poder assistir a tão elevada demonstração de bháva, de sankalpa, ainda tenho a honra de ser amigo pessoal destes seres brilhantes que ampliam a minha existência, de tal forma que não encontro palavras adequadas para o transmitir, a não ser pelo abraço apertado que darei a cada um na primeira oportunidade.

Obrigado.
Agora sim posso soltar uma lágrima!


[Dia 25 de Junho, no Grande Auditório do Rivoli, assista ao espectáculo na integra.]

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Vida

Nas asas do teu amparo sinto-me voar em direcção ao misterioso desconhecido, onde o somatório das minhas vivências não são mais do que um suspiro e a experiência se esfuma na ânsia do que está para vir.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

XXXV

Trinta e cinco anos de vida.
Trinta e cinco anos de sorrisos.
Trinta e cinco anos com vontade de abraçar o mundo.
Trinta e cinco anos a amar intensamente o que é belo...
... desde a simples flor que me surpreende na beira da estrada, até ao sorriso que me arrebata.
Trinta e cinco anos de brincadeiras.
Trinta e cinco anos de traquina, oculto na postura polida.
Trinta e cinco anos a sentir a pele arrepiar quando me emociono com a pureza.
Trinta e cinco anos de aprendizagens, num misto de sofrimento e concretização.
Trinta e cinco anos onde a dor, ...
... a solidão, a distância, o apego, a inveja, o ciúme, a raiva, o desprezo, a falta de atenção, também fizeram parte, mas em pequena escala, contudo, a suficiente para me fazer ver que o caminho era outro.
Trinta e cinco anos a abrir os olhos com a experiência, a assimilar para não cometer os mesmos erros.
Trinta e cinco anos volvidos, sinto-me criança, jovem e adulto, num misto equilibrado.
Trinta e cinco anos de magia que é a vida, onde o segredo não está em ganhar sempre, mas saber perder como exercício para a vitória mais frequente.

E só agora começou!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Toque

Se todos os Homens tivessem a noção do poder do toque viveríamos numa sociedade mais atenta, que graças à sensorialidade se tornaria melhor, mais sensível ao outro, mais amiga.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

"Existem três coisas que os homens podem fazer com as mulheres: amá-las, sofrer por elas, ou torná-las literatura."
(Stephen Stills)

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Calor

Feixes de luz quente incidem sobre o meu corpo.
Uma reacção imediata, de prazer, capta essa energia vital.
Iniciando-se num breve arrepio da pele,
o calor,
entra por cada um dos poros, deslizando de forma suave,
envolvendo as células onde incide, e estas,
transmitindo a informação térmica às restante,
transportam a onda vibrante ao mais intimo de mim.