quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Palavrejar na Rádio

Hoje, pelas 19h15, este blogue será convidado do programa Clube dos Pensadores, na Rádio Matosinhos, da autoria do biólogo Joaquim Jorge, e que irá para o ar entre as 19h e as 20h.
Para ouvir basta ir ao site da rádio em http://www.rcmatosinhos.com ou, se vive no Grande Porto, ligar na frequência 91.0 fm.
Poderá também participar:
1. via telefone através do número 229 381 756
2. via net através do blogue http://clubedospensadores.blogspot.com/ , na hora as opiniões dos internautas serão lidas e tidas em conta para a discussão.

domingo, 20 de janeiro de 2008

Tempo


Nas sociedades modernas, um dos principais inimigos do homem é o relógio, melhor, a forma como lidamos com o tempo. Frequentemente, ouvimos comentários acerca da falta dele e da correria que é necessário empreender para responder a todas as obrigações e solicitações.
Divididos entre a actividade profissional, a família e afazeres domésticos, pouco resta para nós próprios. E, diga-se, sem essa fatia o resto torna-se insuportável, resultando em irritação, stress e doenças.
Não é fácil gerir o tempo, a prova está na quantidade de publicações que abordam o tema, sinal de que há muita procura.
Várias vezes ouvi a seguinte história, que representa na perfeição o que acabo de dizer (perdoem-me os que a conhecem, caso falte algum detalhe):
Certo dia, um professor, com intuito de dar uma lição filosófica aos seus alunos, traz para a sala de aula um grande recipiente de vidro transparente, vazio. De seguida pega numa enorme quantidade de bolas de golfe e enche o mesmo até à superfície. Pergunta ao alunos: - O recipiente está cheio? Eles, sem margem para dúvidas afirmam que sim. Então, o professor, pega num grande saco de berlindes e despeja o seu conteúdo no recipiente de vidro. As pequenas esferas, como que dançando, contornam as bolas de golfe e todo o saco é vertido. Nova pergunta: - E agora está cheio? - Sim professor agora está cheio - respondem os alunos. O docente pega num saco de areia e mais uma vez despeja o seu conteúdo no grande recipiente. Os pequenos grãos deslizam suavemente pelas bolas de golfe e pelos berlindes até a areia chegar ao topo. A mesma questão: - E agora, acham que o recipiente está cheio? Um tanto ou quanto apreensivos respondem que sim, agora não havia dúvida, estava cheio, pensam eles. O professor pega num jarro de café fumegante e verte o seu conteúdo, mais uma vez, no grande jarro de vidro. O liquido infiltra-se de forma a preencher todos os espaços livre.
- Quero que entendam que o pote de vidro representa as nossas vidas. As bolas de golfe são os elementos mais importantes, como a família e os amigos. Os berlindes são as outras coisas que importam, como o trabalho, a casa bonita, etc. A areia representa todas as pequenas coisas. Mas se tivéssemos colocado a areia em primeiro lugar no frasco não haveria espaço para as bolas de golfe e para os berlindes.
O mesmo ocorre nas nossas vidas. Se gastamos todo nosso tempo e energia com as pequenas coisas nunca teremos lugar para o que é realmente importante. Prestem atenção às coisas que são primordiais para a sua felicidade. Haverá sempre tempo para as outras, mas ocupem-se das bolas de golfe em primeiro lugar. O resto é apenas areia."
Um aluno levantou-se e perguntou o que representava o café. O professor respondeu: - Que bom que me fizeste essa pergunta, pois o café serve apenas para demonstrar que não importa quão ocupada esteja a nossa vida haverá sempre lugar para tomar um café com um amigo.

(fotografia: Simon Battensby)