sexta-feira, 25 de julho de 2008

Entrevista com Robert Happe

Por favor, disponibilizem meia hora para verem esta entrevista, não se vão arrepender.

(Esta entrevista foi-me inicialmente enviada pelo amigo Pedro Lopes e mais tarde pelo Miguel Peixoto, e por ser extensa ainda não a tinha visto. Não caiam no mesmo erro)

terça-feira, 22 de julho de 2008

Um texto por Woody Allen


"Na minha próxima vida quero vivê-la de trás para a frente. Começar morto para despachar logo esse assunto. Depois acordar num lar de idosos e sentir-me melhor a cada dia que passa. Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a pensão e começar a trabalhar, receber logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar 40 anos até ser novo o suficiente para gozar a reforma. Divertir-me, embebedar-me e ser de uma forma geral promíscuo, e depois estar pronto para o liceu. Em seguida a primária, fica-se criança e brinca-se. Não temos responsabilidades e ficamos um bébé até nascermos. Por fim, passamos 9 meses a flutuar num spa de luxo com aquecimento central, serviço de quartos à descrição e um quarto maior de dia para dia e depois Voila! Acaba com um orgasmo! I rest my case."

WOODY ALLEN

(Texto enviado pela amiga Rosário)

sábado, 19 de julho de 2008

" Céu e Inferno"

Conta-se que um dia um samurai, grande e forte, conhecido pela sua índole violenta, foi procurar um sábio monge em busca de respostas para as suas dúvidas.

- Monge - disse o samurai com o desejo sincero de aprender - ensina-me sobre o céu e o inferno.

O monge, de pequena estatura e muito franzino, olhou para o bravo guerreiro e, simulando desprezo, disse-lhe:

- Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo. O seu mau cheiro é insuportável. Ademais, a lâmina da sua espada está enferrujada. Você é uma vergonha para a sua classe.

O samurai ficou enfurecido. O sangue subiu-lhe ao rosto e ele não conseguiu dizer nenhuma palavra, tamanha era sua raiva. Empunhou a espada, ergueu-a sobre a cabeça e preparou-se para decapitar o monge.

- Aí começa o inferno - disse-lhe o sábio mansamente.

O samurai ficou imóvel. A sabedoria daquele pequeno homem impressionara-o. Afinal, arriscou a própria vida para lhe ensinar sobre o inferno. O bravo guerreiro baixou lentamente a espada e agradeceu ao monge pelo valioso ensinamento. O velho sábio continuou em silêncio. Passado algum tempo o samurai, já com a intimidade pacificada, pediu humildemente ao monge que lhe perdoasse o gesto infeliz. Percebendo que seu pedido era sincero, o monge falou-lhe:

- Aí começa o céu.


Este texto foi-me enviado pelo amigo Gustavo Leal. Obrigado.

(Imagem: "O Juízo Final", pintura a óleo da colecção The Bridgeman Art Library. Fotografia de Conrad Meyer)