quarta-feira, 31 de agosto de 2005

Prazerosa leitura

Como pude andar tantos anos da minha juventude afastado desta actividade deleitosa. Pegar num bom livro, de preferência novo, tactear a capa, sentir o seu odor agradável, a textura das folhas que convidam a um momento de paz enquanto nos embrenhamos numa boa ficção, romance, policial, ou outro.
Tantos minutos, horas, despendidas em filas de espera, nos mais variados serviços, olhando para o tecto esperando desesperadamente que o pequeno mostrador exiba o número que coincide com a nossa senha. Muitas mais viagens de transportes públicos sem um livro de apoio que nos salve da macabra e detalhada conversa que as vizinhas de banco teimam em discorrer. Já para não falar do pobre tempo gasto em frente ao ecrã de televisão que nos ilude e hipnotiza de uma forma realmente assustadora. E tanto que há para descobrir entre páginas.
No Domingo passado, ao regressar do trabalho na minha caminhada descontraída, fui reparando nos cafés e tascas por onde passava. O televisor aos berros, meia dúzia de pessoas à conversa e algumas pobres almas sentadas sozinhas, com o cotovelo apoiado no tampo da mesa, a cabeça pendendo sobre a palma da mão, olhavam o infinito televisivo. E tanto para ler.
A leitura é algo que se induz desde a mais tenra idade, caso contrário a tecnologia de distracção pode tomar o seu lugar, sendo depois uma tarefa hercúlea trazer o livro para o topo das preferência. Recordo que em tempos não me faltava vontade de ler, mas sentia-me aprisionado pela facilidade que era ficar no sofá vendo imagens, na maioria das vezes sem qualquer valor, em transe completo. Tive a sorte de me curar desse mal terrível que é a socialização desajustada via hipnose televisiva. Hoje vivo e trabalho no meio de companheiros como: Eça; Pessoa; Camilo; Quinn; Martel; Zimler; Saramago; Tolkien e tantos outros.
Que se abram os livros.

domingo, 28 de agosto de 2005

Hoje é o dia

Hoje é um bom dia para iniciar este blog, sinto-o. Apesar da inspiração estar fora, de férias talvez, inspira-me a ideia de escrever, ou postar, como queiram, num espaço aberto, partilhando palavras, imagens (que valem por mil), suspiros, lágrimas, enfim o mundo, não só o meu, mas o que me rodeia.Aguardo o regresso da inspiração, ela que por vezes faz visitas de médico deixando-me na expectativa que um dia fique definitivamente.