segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O Amor

Quanto de ti desconhecemos,
Quanta paixão é confundida com a tua essência.
Quantas lágrimas percorrem rostos em teu nome.

Quando, na verdade, tu  és felicidade, és paz,
És o sorriso na face de uma criança inocente,
Brilho no olhar de um ancião.

Os Homens não te compreendem
E responsabilizam-te pela dor.
És maior,
No patamar em que te encontras
Não há repressão, apenas liberdade.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Perfume Outonal

A brisa que pelo teu cabelo passa envolve-me com perfume outonal. Desperto da letargia da vida rotineira e  sinto-me catapultar para um patamar onde realmente vale a pena viver.
A Lua cheia ilumina os seus olhos na escura noite.
Deambulando entre sombras inertes, solta um uivo que clama.