O Amor

Quanto de ti desconhecemos,
Quanta paixão é confundida com a tua essência.
Quantas lágrimas percorrem rostos em teu nome.

Quando, na verdade, tu  és felicidade, és paz,
És o sorriso na face de uma criança inocente,
Brilho no olhar de um ancião.

Os Homens não te compreendem
E responsabilizam-te pela dor.
És maior,
No patamar em que te encontras
Não há repressão, apenas liberdade.

Comentários

Dalila disse…
Lindo Marco!
A tua poesia é a rua essência.
Feliz por te acompanhar nesta maravilhosa caminhada que é a vida.
Beijo doce.

Mensagens populares deste blogue

1 ano

Aroma a feno