quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Em busca da felicidade

A felicidade passa-te ao lado,
de cenho franzido e obtuso
a todos fazes má cara.

A felicidade não depende
do que tens,
de quem tens,
nem do clima ela depende.

A felicidade é simples
não a busques nos bens,
não a encontrarás nos outros,
mera ilusão passageira.

É dentro de ti que a deves procurar,
brotando do mais singelo suspiro
e deixando-a florescer.
E ela será tão mais pura
quanto mais trouxeres ao mundo.


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Força de vontade

Nos momentos de maior aperto, de dúvida, de querer mudar tudo ao primeiro impulso, por vezes, surge um rasgo de lucidez, de visão nítida daquilo que se pretende alcançar, e então, com uma boa dose se autossuperação, as barreiras que pareciam momentaneamente intransponíveis vão tombado uma após a outra perante a nossa vontade inabalável.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Quanto de mim

Quanto do meu sorrir é reflexo do teu. Quanto da minha expressão de olhar vago no amanhã, prevendo o sucesso eminente, é despertada por ti. Quanto da brisa fresca que me toca o rosto traz o perfume dos teu cabelos, me eleva, me torna mais eu, mais homem, mais ser humano, na ânsia de abrir portas para um mundo melhor.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Aldeia

Sempre que regresso à aldeia há um reencontro com as origens, um contacto próximo com as raízes. De todos os lugares este é onde se encontra a essência. Foi aqui que viveram os meus antepassados e onde brotei para a vida. Caminhar num outono por campos verdejantes de vestes douradas e rubras é transformador. A brisa que percorre o rosto leva-nos a apreciar a subtileza quente dos raios de sol de S Martinho e ao mesmo tempo do fresco ar de inverno serrano que se aproxima. Regatos de água torneiam as pedras toscas dos caminhos e regam os lameiros. A serra em toda a sua magnitude ergue-se debaixo dos meus pés e lá no cimo o granito indica-nos os trilhos rumo ao talegre. Ao fundo do vale, o rio Paiva corre agitado, fruto das chuvas pós verão e que regam estas terras de onde brotam paixões e memórias inesquecíveis.



quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Mais além

A vida é um permanente teste. Nela evoluimos de forma gradual e a toda a hora somos colocados à prova. Uma vida dificil é o comum, a facilidade nunca trouxe sucesso a ninguém, ou se o fez foi temporário. Há a necessidade de batalhar com constância pelos nossos objetivos. O esmorecer, o relaxar, é dar uma oportunidade à derrota. O foco traz sucesso, o sucesso traz realização, e essa realização permite-nos a serenidade necessária para nos conhecermos melhor e irmos além da vulgaridade.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Quantas palavras seriam necessárias para exprimir o teu semblante naquele dia. Quantos livros necessitaria para descreverem tal beleza. Quantas bibliotecas de texto precisaria de ler para desenhar o teu olhar, doce, profundo, cheio de vida vibrante, que me cativa e me eleva a patamares superiores de realização humana, só por te ter junto e contigo crescer lado a lado, de mãos dadas, bem próximos um do outro, com olhos postos num futuro entusiasmante e mais humano. Brilham os meus olhos em resposta aos teus, na expetativa da sua luminosidade te cativar também e vislumbrares o imenso amor que sinto por ti, a todo o momento.

Ao som de Arrival of the birds


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

A magnificência da natureza


O ser humano é muito de se aborrecer com o clima. É comum escutarmos reclamações relativamente ao frio e ao calor, à chuva e ao tempo seco, e assim por diante.

Nada como aceitar a natureza como ela é e fluirmos agradavelmente pela dádiva que é estarmos vivos e podermos usufruir de cada momento, independentemente do clima. O estado meteorológico mais importante ainda é o de cada um, o interno, esse sim, muitas vezes desregulado.

Contudo, períodos há em que devido ao longo tempo de uma determinada condição climatérica nos dá prazer a mudança de estado. Como agora neste dia de sol após as intempéries dos últimos meses.

Cada momento tem os seus quês, e durante uma chuva intensa quem não gosta do crepitar da lenha na lareira, enquanto uma manta cobre os pés e uma chávena de quente café nos acompanha na leitura de um bom livro?

Mas este sol que agora desponta, que entra por esta janela e aquece este aposento húmido dá um prazer especial. O resguardar da chuva e do frio que nos obriga a estar mais por casa dá agora lugar à vontade alegre de passear pela rua ensolarada, apreciando os passados a bebericar nos charcos e as plantas verdejantes colherem o sol no seu regaço, secando os seus ramos.

A Primavera, ainda distante, vai assim enviando bilhetes postais em forma de luminosidade intensa, como que dizendo que vem a caminho e que tem saudades nossas, ansiosa pelos longas caminhadas a céu aberto.