Voa

Nessas asas de vento te elevas.
Flui pelo espaço que te acaricia.
O toque da brisa crispa-te a pele,
Um frio no estômago dá sinal
Da altitude, da possível queda,
O medo controla e limita.
Mas não, deixa-te subir,
O prazer é imenso,
Não penses no solo,
Todo o teu ser flui, é aqui o teu lugar.
Lá em baixo tempo suficiente foi vivido.
Sê leve,
Sê verdadeiro,
E não receies a queda,
Só assim chagarás alto.

Escrito ao som de Fly, de Ludovico Einaudi.

Comentários

Dalila disse…
Lindo. Beijinhos :-)

Mensagens populares deste blogue

1 ano

Aroma a feno