Passar os teus portões


A tua porta ao longe
Parece inalcançável.
Frio gradeamento
Que impede o meu querer,
Imune ao meu desejo.

Os degraus que a ti levam
São de evolução.
Subí-los é iniciático
E aprendiz quem os sobe.

O sol que aí incide
São mãos a acariciar
A tua pele.

Sento-me nessa velha cadeira,
Delicadamente.
O ranger corta o silêncio,
Espero que abras a porta.
Agora que aqui cheguei, espero.

Comentários

Ana Lótus disse…
Belissimo!
Marco Santos disse…
Obrigado Ana.
Beijinho.

Mensagens populares deste blogue

1 ano

Aroma a feno