Aquietar

Sentado com as pernas cruzadas coloca as mãos em concha, fecha os olhos e inspira profundamente. Um esboço de sorriso surge naturalmente na face. Um ligeiro arrepio, um conforto imenso.

O sol nasce atrás da floresta que consegue vislumbrar do aposento onde se encontra. É manhã cedo e uma neblina paira no ar.

À sua frente encontra-se o céu azul, o sol dourado e a verde floresta, oculta em parte pela neblina. Uma visão sem idade, um cenário actual mas que poderia sê-lo há mais de cinco mil anos. Elementos da natureza, puros, um enquadramento sem presença de artefactos humanos.

Nova inspiração profunda, suave, silenciosa. O sorriso no rosto toma uma contorno mais expressivo. Apesar das pálpebras cerradas dá para perceber que os olhos brilham intensamente.

Até já!


(Escrito ao som de Seven Names, da banda sonora do filme Seven Pounds, que podem ouvir aqui.)

Comentários

Mário Vendas disse…
...mantendo a primeira parte, passe à segunda, a retribuição de energia: una as mãos uma à outra e ambas à frente do peito e, espontaneamente surge um sentimento de gratidão: A ti amigo por escreveres palavras tão bonitas e profundas!
Um forte e sentido abraço do coração!
Marco Santos disse…
Obrigado querido amigo.
Abraço forte.
Vânia disse…
Adorei este post esta lindo! ^^

Mensagens populares deste blogue

Frescura matinal

1 ano