sábado, 12 de setembro de 2009

Escrita

Contínuo deslizar da esfera na superfície branca, de ligeira rugosidade. Esferográfica moderna que desliza sem ruído e sem esforço, muito distante das penas de outrora, que arranhavam o papel numa relação mais intensa, mais íntima, não tão vulgar.

1 comentário:

Fairie disse...

E as palavras,embora não sem significado, superficiais como se o leve toque da esferográfica por si só, transmitisse ao papel a sua própria visão.
E a superfície branca da folha perde a sua conotação pessoal, o arranhar da pena que impressa o carácter intempestivo do pensamento, do sonho, da rebeldia comum do ser humano.