Loucos


Já não há loucos. Antigamente, louco era aquele que falava sozinho e que ao passar por nós na rua parecia alheado de tudo o que estava em volta. Hoje é difícil distinguir os loucos das restantes pessoas que usam telemóveis com auricular, pois ambos falam sozinhos e perecem longe do meio que os circunda, esbracejando e vociferando para o nada.
Ganham os loucos pois, desta forma, quem conseguirá distinguí-los?

Comentários

Jose Carreira disse…
Na maioria dos dias estamos no meio de multidões e sentimo-nos tão sós...pior do que isso falamos imensas vezes sozinhos...havndo tanta gente em redor...gente...mas não amigos, companheiros. Penso que efactivamente a loucura e a sanidade mental nunca tiveram fronteiras tão ténues e ziguezagueantes.
sa morais disse…
Olá Marco!

Desculpa lá não ter cá vindo antes, mas ando mesmo "louco" com o tempo! :)

Vou colocar um link no meu blog para cá passar com mais tempo e mais vezes.

E o Goor? Já se vendeu um, ao menos? :)

Abraço!

Mensagens populares deste blogue

Frescura matinal

1 ano